Tuesday, August 23, 2011

Educação Empreendedora Prova 1

this post is in portuguese, sorry for the english readers... if we have any at all.

ontem, segunda-feira 22 de agosto, foi a primeira prova da cadeira de Educação Empreendedora que pago no Cin com @srlm e @teco_sodre

a prova foi sobre os 6 primeiros textos da série de 24 textos no blog de silvio...

vai abaixo os bullets points dos textos e links.



  • Toda boa empresa é uma boa escola: pelo menos uma vez por semana, se perguntar o que aprendeu nos últimos 7, 14, 21 dias. Se, vez após vez, a resposta for muito pouco, é hora de procurar algum lugar que esteja construindo o futuro.
  • A aprendizagem passa por, na verdade, fazer as perguntas certas. Na economia do conhecimento todo negócio provê oportunidades de aprendizado.
  • Se a economia é do conhecimento, todos os negócios, públicos e privados, são ou estão centrados em educação.
  • Educação é a prioridade das prioridades e o passo seguinte para o fim da miséria. [declaração de Dilma e Obama no State of the Union Speech]
  • Educação + Oportunidade = Esperança
  • PROBLEMAS: P&D equivale a 1,1% do PIB, média de 2,3% da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico); Sérias carências na qualificação de recursos humanos das áreas de C&T; pouca produção de patentes (0,3 patentes triádicas por milhão de habitantes em 2008); reduzido percentual de empresas efetuando inovação em produtos.
  • O estado é omisso na inovação quando não "sai da frente". 37% de taxa de agregação fiscal. O Estado arrecada havendo lucro ou não! O que se exige da empresa é algo ilógico: que corra todo o risco e o Estado fique com a arrecadação.
  • Se a empresa não está envolvida no processo de inovação gera empregos de pouca qualificação.
  • Imitação Criativa - Lin Su Kim:Da imitação à inovação. Toda imitação é criativa, pois não repete os erros já cometidos.
  • Inovação é um risco que o Estado deve correr junto ao empreendedor, pois ganha na arrecadação e ao prover a sociedade acesso ao produto.
  • Qual o papel das políticas públicas e seus agentes na criação de oportunidades? Ou seja, o papel na construção de uma população empreendedora preparada para as oportunidades que apareçam ou que sejam criadas pelas políticas: educar gente, criar oportunidades e sair da frente!
  • Educação: escala dos projetos-piloto, ensino fundamental eficaz, minimamente coerente. Os problemas são de software, não de hardware. Conteúdo, métodos, professores e não infraestrutura, salas, giz.
  • Oportunidade: criar oportunidades de DESENVOLVIMENTO pessoal, social, empreendedor e econômico. Olhando para o futuro assim como dando conta das demandas complexas do presente e compensando o passado.
  • Complexidade: CEOs no mundo toda acham que as coisas serão complicadas daqui pra frente. Mais do que já são e poucos se consideram preparados.
  • As empresas possuem MUITO MAIS DADOS sobre os clientes, mas acreditam que a INFORMAÇÃO sobre eles é PIOR.
  • Sair da frente: facilitar a vida, evitar a informatização do caos.
  • Feito isso, teremos um ambiente propício para a criação, sustentação e evolução de novos negócios inovadores de crescimento empreendedor. Que tipo de negócio está esse?
  • Crescimento empreendedor em um mercado que cresce x% ao ano é cresce 5x, 10x ao ano.
  • O cenário para qualquer tipo de empreendimento é o mercado. CENÁRIO = MERCADO!
  • Cluetrain: 95 teses sobre como é (seria em 1999) o mercado do mundo em rede.
  • Mercado = conversações entre pessoas conduzidas por uma voz humana. Nos tempos atuais estamos falando de pessoas digitais, conectadas em contextos digitais.
  • Neeleman's 3. Negócio: colaboradores satisfeitos, excelência no atendimento, clientes satisfeitos. Em resumo, um negócio é a relação entre clientes e colaboradores mediados pelo atendimento. Quão bem seus colaborares estão para atender certo cliente.
  • Na economia do conhecimento, um BOM NEGÓCIO é uma comunidade com um propósito, e não uma propriedade qualquer.
  • A complexidade da demanda dos clientes deve ser atendida por performance simples.
  • Ou seja, comunidades precisam de soluções simples para problemas complexos. Precisam de um propósito comum. O atendimento ao cliente só é satisfatório em startups.
  • Startup = trabalho e pessoas. Times coesos resolvendo problemas. Startup como cultura de trabalho na empresa.
  • A criação de um negócio depende, em última instância, de um EMPREENDEDOR. Nada, nem políticas públicas de incentivo, são capazes de criar negócios inovadores de crescimento empreendedor sem esse CARA.
  • O empreendedor por trás do negócio deve ser capaz de: montar um time vencedor! Liderar, no sentido de criar redes de entendimento e propósito, de integridade e confiança, de determinação, dedicação e capacidade de execução.
  • O empreendedor também deve ser capaz de criar um produto ou serviço. [7].