Tuesday, April 24, 2018

Mais ou menos detalhes?

vocês conhecem esse livro?
https://www.amazon.com/dp/B0036S4CA2/ref=dp-kindle-redirect?_encoding=UTF8&btkr=1

to relendo, ele tem uma passagem que fiquei meio assim quando ele fala de Left4Dead

Ele fala:

The more *explanation* there is, the thought appears to go, the more *story* has been generated. This would be a profound misunderstanding of story for any form of narrative art...

E aí depois ele argumenta, por exemplo, que quando você aprende que Freddy Krueger é o filho bastardo de mil maníacos a história fica ridícula, que não precisava explicar isso. O mesmo pra Resident Evil com toda a história da Umbrella e tal.

E aí da Left4Dead como bom exemplo. Que não precisa explicar pra que seja crível e mais ainda, cada jogada gera uma narrativa/storyline. Não precisa ter texto, não precisa ter tanta história prévia. E fala como os personagens criados (tanto os NPCs quanto os controlados pelo jogador) já são suficientes pra gerar esse tipo de narrativa/história.

Isso é muito interessante/controverso. Será que ele tá certo? Ou simplesmente os exemplos que ele da são histórias ruins e da pra fazer isso só que de um jeito legal?

quem quiser dar uma olhada, tem o texto aqui no google books
https://books.google.com.br/books?id=p3pCgbJp_F0C&pg=PA40&lpg=PA40&dq=the+more+explanation+there+is+,+the+thought+appears+to+go,+the+more+story+has+been+generated+extra+lives&source=bl&ots=BvTZ8VbvQH&sig=w7G-5MMjLz_dDvCJWcVVDyLkOXs&hl=en&sa=X&ved=0ahUKEwje4uLsiNPaAhVChpAKHS-iDiUQ6AEIKTAA#v=onepage&q&f=false

A partir do último paragrafo da página 41 até a 47 (o google books tira as páginas 44 e 45 ).


Conversando na Manifesto, algumas coisas foram adicionadas a esse debate. Transcrito abaixo:


A - Tue 11:08am
Eu já conhecia isso que ele fala. O argumento também se aplica a por que tantos personagens principais são "mudos" ou não tem muito background. É para deixar o jogador criar da cabeça dele quem ele é mesmo. Muita gente criticou, por exemplo, Fallout 4 por ter dado um background ao personagem ao invés de deixar para a imaginação do jogador.

Túlio - Tue 11:09am
a bronca, segundo ele, é que por criar esse background a história fica ruim. por que ninguém consegue superar as expectativas de todo mundo
mas será que faz sentido ou será que é só por que os exemplos são ruins?


A - Tue 11:10am
Acho que depende do jogo.
No caso de Resident Evil quanto mais você tenta explicar mais plot hole cria. Justamente por ser um jogo longo.
E ter tido múltiplos roteiristas ao longo dos anos. Cada um com suas ideias.


Túlio - Tue 11:12am
mas não é nem plot hole que ele argumenta
é mais que o core da história que é ridiculo

A - Tue 11:12am
Imagina um livro que a cada capitulo alguém diferente escreve.

Túlio - Tue 11:12am
e que o primeiro capítulo cria uma péssima base pra história toda

A - Tue 11:13am
Eu acho que a bronca ta mais nisso, do que em ter a explicação em sim.
Pois é.

Túlio- Tue 11:13am
ou melhor, que cria um super universo pra no final outro cara chegar e estragar


A - Tue 11:13am(edited)
Lembrei de FEAR agora. O jogo seguia uma direção, mudou de estudio deu um 420º de cabeça pra baixo.

B - Tue 11:24am
Isso me pareceu muito narrativa emergente vs narrativa embutida
left for dead tem muita narrativa emergente

Túlio - Tue 11:26am
não é exatamente isso... o que ele fala basicamente é que a narrativa embutida não precisa explicar muita coisa pra ter uma história interessante/artística, etc...
e em jogos especificamente, que tem a possibilidade da narrativa emergente, menos ainda

a questão é fácil de exemplificar no Freddy

1. Freddy é mais assustador depois que a gente sabe que ele é o filho bastardo de mil maniacos?
2. Alguma história do por que de Fred faria ele ser mais assustador? Precisa a gente saber?

Aí ele argumenta que não. que o personagem em si e a história que é contada já é suficiente. já é terror, já da medo, a experiência já tá completa. adiciionando esse detalhe, na verdade, a experiência foi comprometida.