Sunday, August 28, 2011

[off-topic] o problema da única história.

quem já teve a oportunidade de ir, a trabalho, conversar com americanos, europeus e/ou asiáticos ouve coisas que faz você se identificar muito com essa história... se você não é de SP/Rio então, nem se fala. uma das melhores conversas/apresentações que já vi do TED.






mesmo com tanta coisa vindo de todo lugar do mundo, quando falamos de economia criativa - como os jogos que fazemos na manifesto ou a OjE na joy - americanos e europeus ainda se impressionam como no Brasil se faz esse tipo de coisa. aparentemente estamos bem a frente dos africanos nesse sentido, em  percepção do primeiro mundo com relação a nós no terceiro.

em 2010, quando anda tinhamos os AAA premium games como carro chefe do mercado, eramos somente 0,5% do todo em jogos, e o méxico por exemplo 2% com os impostos levando a culpa desde sempre.

nosso mercado que consome cada vez mais. já é 165mi, e deve dobrar. fruto da mudança no modelo de negócios para o freemium de mobile e facebook.

isso tem feito os mesmo saberem cada vez mais sobre nós. mas como mercado consumidor, não como produtor. é impressionante a quantidade de pessoas que se espantam por que é mais fácil conversar comigo (e a grande maioria dos brasileiros) em inglês do que em espanhol...


Chimamanda é escritora, nigeriana, e da pra saber muito mais sobre ela no wikipedia.


E se você não sabe o que é TED, deveria saber. internet e tecnologia não serve só pra tá no facebook não... TED é para compartilhar idéis que melhoram o mundo, veja algumas: http://www.ted.com/conversations

lá tem idéias para responder perguntas de todos os tipos como:

Como melhorar a educação?
Como diminuir o desperdício de água?
Como a linguagem transformou a humanidade?
Estamos filtrando os micróbios corretos?

Enfim, todo tipo de pergunta...

esse post foi originado de um post no Update Or Die, outro lugar muito interessante de se ver. esse nacional, passe lá também, tem de tudo: http://www.updateordie.com

Tuesday, August 23, 2011

Educação Empreendedora Prova 1

this post is in portuguese, sorry for the english readers... if we have any at all.

ontem, segunda-feira 22 de agosto, foi a primeira prova da cadeira de Educação Empreendedora que pago no Cin com @srlm e @teco_sodre

a prova foi sobre os 6 primeiros textos da série de 24 textos no blog de silvio...

vai abaixo os bullets points dos textos e links.



  • Toda boa empresa é uma boa escola: pelo menos uma vez por semana, se perguntar o que aprendeu nos últimos 7, 14, 21 dias. Se, vez após vez, a resposta for muito pouco, é hora de procurar algum lugar que esteja construindo o futuro.
  • A aprendizagem passa por, na verdade, fazer as perguntas certas. Na economia do conhecimento todo negócio provê oportunidades de aprendizado.
  • Se a economia é do conhecimento, todos os negócios, públicos e privados, são ou estão centrados em educação.
  • Educação é a prioridade das prioridades e o passo seguinte para o fim da miséria. [declaração de Dilma e Obama no State of the Union Speech]
  • Educação + Oportunidade = Esperança
  • PROBLEMAS: P&D equivale a 1,1% do PIB, média de 2,3% da OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico); Sérias carências na qualificação de recursos humanos das áreas de C&T; pouca produção de patentes (0,3 patentes triádicas por milhão de habitantes em 2008); reduzido percentual de empresas efetuando inovação em produtos.
  • O estado é omisso na inovação quando não "sai da frente". 37% de taxa de agregação fiscal. O Estado arrecada havendo lucro ou não! O que se exige da empresa é algo ilógico: que corra todo o risco e o Estado fique com a arrecadação.
  • Se a empresa não está envolvida no processo de inovação gera empregos de pouca qualificação.
  • Imitação Criativa - Lin Su Kim:Da imitação à inovação. Toda imitação é criativa, pois não repete os erros já cometidos.
  • Inovação é um risco que o Estado deve correr junto ao empreendedor, pois ganha na arrecadação e ao prover a sociedade acesso ao produto.
  • Qual o papel das políticas públicas e seus agentes na criação de oportunidades? Ou seja, o papel na construção de uma população empreendedora preparada para as oportunidades que apareçam ou que sejam criadas pelas políticas: educar gente, criar oportunidades e sair da frente!
  • Educação: escala dos projetos-piloto, ensino fundamental eficaz, minimamente coerente. Os problemas são de software, não de hardware. Conteúdo, métodos, professores e não infraestrutura, salas, giz.
  • Oportunidade: criar oportunidades de DESENVOLVIMENTO pessoal, social, empreendedor e econômico. Olhando para o futuro assim como dando conta das demandas complexas do presente e compensando o passado.
  • Complexidade: CEOs no mundo toda acham que as coisas serão complicadas daqui pra frente. Mais do que já são e poucos se consideram preparados.
  • As empresas possuem MUITO MAIS DADOS sobre os clientes, mas acreditam que a INFORMAÇÃO sobre eles é PIOR.
  • Sair da frente: facilitar a vida, evitar a informatização do caos.
  • Feito isso, teremos um ambiente propício para a criação, sustentação e evolução de novos negócios inovadores de crescimento empreendedor. Que tipo de negócio está esse?
  • Crescimento empreendedor em um mercado que cresce x% ao ano é cresce 5x, 10x ao ano.
  • O cenário para qualquer tipo de empreendimento é o mercado. CENÁRIO = MERCADO!
  • Cluetrain: 95 teses sobre como é (seria em 1999) o mercado do mundo em rede.
  • Mercado = conversações entre pessoas conduzidas por uma voz humana. Nos tempos atuais estamos falando de pessoas digitais, conectadas em contextos digitais.
  • Neeleman's 3. Negócio: colaboradores satisfeitos, excelência no atendimento, clientes satisfeitos. Em resumo, um negócio é a relação entre clientes e colaboradores mediados pelo atendimento. Quão bem seus colaborares estão para atender certo cliente.
  • Na economia do conhecimento, um BOM NEGÓCIO é uma comunidade com um propósito, e não uma propriedade qualquer.
  • A complexidade da demanda dos clientes deve ser atendida por performance simples.
  • Ou seja, comunidades precisam de soluções simples para problemas complexos. Precisam de um propósito comum. O atendimento ao cliente só é satisfatório em startups.
  • Startup = trabalho e pessoas. Times coesos resolvendo problemas. Startup como cultura de trabalho na empresa.
  • A criação de um negócio depende, em última instância, de um EMPREENDEDOR. Nada, nem políticas públicas de incentivo, são capazes de criar negócios inovadores de crescimento empreendedor sem esse CARA.
  • O empreendedor por trás do negócio deve ser capaz de: montar um time vencedor! Liderar, no sentido de criar redes de entendimento e propósito, de integridade e confiança, de determinação, dedicação e capacidade de execução.
  • O empreendedor também deve ser capaz de criar um produto ou serviço. [7].